Mesmo com 84 apartamentos funcionais vazios, 154 deputados recebiam auxílio-moradia no valor de R$ 4.253

Daniel Adjunto segue fazendo um elogiável trabalho na cobertura dos acontecimentos em Brasília. Em uma de suas matérias para o SBT, destacou que, mesmo com 84 apartamentos funcionais vazios, há 154 deputados federais recebendo “auxílio-moradia” no valor de R$ 4.253,00 por mês.

Se a estrutura fosse utilizada para acomodar essa “massa parlamentar”, o brasileiro economizaria R$ 4,3 milhões por ano com o benefício. Ou mais de R$ 17 milhões no decorrer do mandato – e sem contar a inflação do período.

Sim, são valores nanicos perto das cifras que infelizmente se tornaram lugar-comum no noticiário policial brasileiro. Ainda assim, servem para mostrar a sede por verba pública dos envolvidos – não deixam de explorar mesmo as menores quantias.

No caso mais grave, há um prédio inteiro sem moradores. Os imóveis ficam numa área nobre de Brasília, e chegam a ter até 225 metros quadrados, com até quatro quartos e três banheiros. Em média, as unidades são avaliadas em R$ 2 milhões. Sem sombra de dúvida, um luxo acessível a poucos eleitores.

Curtiu o texto? Siga o autor no Twitter ou Facebook, ou contribua com o crowdfunding (financiamento coletivo) dele clicando aqui e seguindo as instruções.
Nunca inseriu um código de desconto no Cabify? Experimente usar o código "IMPLICANTE" e ganhe 100% OFF (com desconto máximo de R$ 10) em até 2 corridas. Após ativado, o crédito terá validade de 30 dias.

Publicado por

Marlos Ápyus

Jornalista e músico. Edita o implicante.org desde julho de 2017. Siga-o no Twitter (@apyus) ou no Facebook (/apyus), ou contribua com o crowdfunding (financiamento coletivo) clicando aqui.

2 comentários sobre “Mesmo com 84 apartamentos funcionais vazios, 154 deputados recebiam auxílio-moradia no valor de R$ 4.253”

  1. É mais um dos inúmeros ralos por onde escoa o dinheiro dos nossos escorchantes impostos. Enquanto isso, a população sofre nas filas dos hospitais com falta de segurança e outras mazelas mais.

Deixe uma resposta