O Datafolha confirmou que há mais brasileiro querendo Lula preso do que Lula na Presidência

Na pesquisa eleitoral realizada em 27 e 28 de setembro, o Datafolha testou nove cenários para eventuais segundos turnos na corrida presidencial. Quatro deles envolve o nome de Lula, e um quinto será ignorado pelo Implicante porque simplesmente não é sério – em alinhamento com a defesa do condenado, confronta o ex-presidente com Sérgio Moro, uma tentativa acusá-lo de fazer política em vez de Justiça.

Nos quatro cenários, Lula se sagra vencedor, com o melhor desempenho obtido contra João Doria. A saber:

  • Cenário 1
    Lula: 46%
    Alckmin: 32%
  • Cenário 2
    Lula: 48%
    Doria: 32%
  • Cenário 3
    Lula: 44%
    Marina: 36%
  • Cenário 4
    Lula: 47%
    Bolsonaro: 33%

Contudo, a mesma pesquisa buscou entender o apoio do eleitor brasileiro a uma eventual prisão de Lula. Questionados se o resultado da Lava Jato seria suficiente para justificar um tempo de cadeia ao ex-presidente, uma parcela bem maior se disse favorável:

  • É suficiente para justificar a prisão de Lula: 54%
  • Não há motivos para que o ex-presidente seja detido: 40%
  • Sem opinião e outros: 5%

De onde se conclui que há mais gente querendo Lula preso do que Lula presidente.

Entre os investigados com nível superior, esta parcela chega a 69%. Entre os mais ricos, a 76%. No Sudeste do Brasil, a 65%. Mas, mesmo entre os mais pobres, o estrago é considerável: 42%.

Contudo, a descrença no sistema é gigantesca. E dois terços dos entrevistados duvidam que Lula venha a ser encarcerado.

Curtiu o texto? Siga o autor no Twitter ou Facebook, ou contribua com o crowdfunding (financiamento coletivo) dele clicando aqui e seguindo as instruções.
Nunca inseriu um código de desconto no Cabify? Experimente usar o código "IMPLICANTE" e ganhe 100% OFF (com desconto máximo de R$ 10) em até 2 corridas. Após ativado, o crédito terá validade de 30 dias.

Publicado por

Marlos Ápyus

Jornalista e músico. Edita o implicante.org desde julho de 2017. Siga-o no Twitter (@apyus) ou no Facebook (/apyus), ou contribua com o crowdfunding (financiamento coletivo) clicando aqui.

Deixe uma resposta