Desde 2008, a taxa de mortalidade infantil da Venezuela supera a da Síria

Desde 2008, a taxa de mortalidade infantil da Venezuela supera a da Síria

Nos anos 1960, a taxa de mortalidade infantil na Síria era o dobro da venezuelana. De lá até 2015, no entanto, o dado sírio caiu 91%, enquanto o da Venezuela foi mais contido: 78%. Ao ponto de que, em 2008, o “jogo” virou, e a nação que enfrentaria a partir de 2011 uma das guerra mais destruidoras passaria a oferecer estatísticas melhores.

Contudo, a situação de ambas vem enfrentando pioras. Enquanto, em 2016, a taxa da Síria aumentou de 11,1 por mil nascidos vivos para 15,4, a da Venezuela subiu de 12,9 para 18,6. O registro foi feito pela Human Progress.

O projeto observa que a queda do número tem forte ligação com a liberdade econômica do país. E cita o caso do Chile como exemplo.

Nos anos 1960, chilenos viviam uma situação ainda pior que o da nação do Oriente Médio. Mas, já na década seguinte, melhoraria consideravelmente. E, com a virada do século, acumularia resultados comparáveis ao de nações desenvolvidas, como os Estados Unidos.

No artigo, Chelsea Follett conclui:

Enquanto o socialismo da Venezuela conseguiu matar mais bebês do que uma guerra na Síria, a incrível história de sucesso do Chile nos mostra que, implementando as políticas corretas, a humanidade pode fazer um progresso rápido e proteger melhor os membros mais jovens e vulneráveis ​​da sociedade.”

Infelizmente, falta essa noção chegar ao sistema educacional brasileiro.