Após um ano e meio, o governo Temer deu fim a apenas 4 dos ministérios de Dilma

Dilma Rousseff chegou a ter 39 ministérios. Em 2015, numa reforma altamente propagandeada, cortou 8 deles. Mas deixaria o cargo com um total de 32 pastas ainda ativas, o que já seria piada em qualquer nação séria.

Enquanto se preparava para assumir a Presidência da República, Michel Temer cogitou trabalhar com apenas 15 ministérios. Mas fecharia a conta em 24 nomes.

Um ano e meio depois, a conta já havia subido para 28. Motivo: Temer cedera a pressões para recriações de certas estruturas, como a do Ministério da Cultura, mas principalmente abriu espaço para garantir foro privilegiado a alguns aliados que poderiam ser presos se julgados em primeira instância.

Resultado: após o impeachment de Dilma, o país livrou-se de pouco mais de 10% dos cabides ministeriais que bancava – ou apenas 4 pastas.

Curtiu o texto? Siga o autor no Twitter ou Facebook, ou contribua com o crowdfunding (financiamento coletivo) dele clicando aqui e seguindo as instruções.
Nunca inseriu um código de desconto no Cabify? Experimente usar o código "IMPLICANTE" e ganhe 100% OFF (com desconto máximo de R$ 10) em até 2 corridas. Após ativado, o crédito terá validade de 30 dias.

Publicado por

Marlos Ápyus

Jornalista e músico. Edita o implicante.org desde julho de 2017. Siga-o no Twitter (@apyus) ou no Facebook (/apyus), ou contribua com o crowdfunding (financiamento coletivo) clicando aqui.

Deixe uma resposta