Não foi demitida: secretária de Direitos Humanos pediu para sair do governo Temer

O governo Temer não faz por merecer qualquer defesa, mas a verdade precisa sempre ser defendida. Com o título “secretária de Direitos Humanos é exonerada do cargo“, o G1 passou a sensação de que o Governo Federal abriu mão dos serviços de Flávia Piovesan, jurista e advogada muito elogiada na área. E de cara alimentou uma chuva de críticas da parte de todos aqueles que viram na chamada a informação completa.

Mas bastava conferir o subtítulo para confirmar que Piovesan pediu “para deixar o governo“. No conteúdo, aspas da ex-secretária explicando a exoneração:

“A minha exoneração foi a pedido, no sentido de viabilizar uma transição adequada para o exercício do mandato junto a Comissão Interamericana de Direitos Humanos, a iniciar em janeiro de 2018. Observo que o exercício do mandato demanda total independência, o que torna incompatível a permanência no cargo.”

A exoneração foi assinada por Eliseu Padilha, ministro da Casa Civil.

Curtiu o texto? Siga o autor no Twitter ou Facebook, ou contribua com o crowdfunding (financiamento coletivo) dele clicando aqui e seguindo as instruções.
Nunca inseriu um código de desconto no Cabify? Experimente usar o código "IMPLICANTE" e ganhe 100% OFF (com desconto máximo de R$ 10) em até 2 corridas. Após ativado, o crédito terá validade de 30 dias.

Publicado por

Marlos Ápyus

Jornalista e músico. Edita o implicante.org desde julho de 2017. Siga-o no Twitter (@apyus) ou no Facebook (/apyus), ou contribua com o crowdfunding (financiamento coletivo) clicando aqui.

Deixe uma resposta