Nas redes sociais, líder islâmico destacou uma das maiores incoerências da xaria

Imame é como são conhecidos os pregadores nos cultos islâmicos. Por isso Imam Tawhidi causa tanta controvérsia nas redes sociais. O líder religioso apresenta-se como um homem de paz, teólogo, pensador, educador e reformista. Mas não poupa críticas à religião que representa.

Em um de seus muitos tweets que viralizaram, o australiano apontou um paradoxo da postura islâmica a respeito de islamofobia. Em tradução livres (o tweet original seguirá na sequência), ele disse:

A lei violenta da Sharia ensina o ódio contra cristãos, judeus, budistas, ateus, cães, gays, o Ocidente, ocidentais, alimentos, democracia, civilização, culturas, países e nações. Mas, depois que nossos califas invadem todos eles, temos a audácia e o nervo de queixarmo-nos de ‘islamofobia’.”

https://twitter.com/Imamofpeace/status/929323571565944832

Foi uma fala tão forte que Tawhidi precisou depois reforçar que de fato era muçulmano:

“Para aqueles que afirmam que eu não sou ‘muçulmano real’, segue: não só sou um Imame da 3ª geração, mas minha proeminente linhagem Árabe Ta’i foi muçulmana desde o 1º ano em que o islã surgiu em Meca, e meus antepassados lutaram ao lado de Mohammad. Estou mais do que qualificado para criticar a corrupção.”

Muito se critica o islamismo pela ausência de vozes moderadas que se voltem contra os excessos do radicalismo. Por isso, a postura de Tawhidi merece ser valorizada. Sem sombra de dúvidas, não faltará quem o apoie no ocidente.

Curtiu o texto? Siga o autor no Twitter ou Facebook, ou contribua com o crowdfunding (financiamento coletivo) dele clicando aqui e seguindo as instruções.
Nunca inseriu um código de desconto no Cabify? Experimente usar o código "IMPLICANTE" e ganhe 100% OFF (com desconto máximo de R$ 10) em até 2 corridas. Após ativado, o crédito terá validade de 30 dias.

Publicado por

Marlos Ápyus

Jornalista e músico. Edita o implicante.org desde julho de 2017. Siga-o no Twitter (@apyus) ou no Facebook (/apyus), ou contribua com o crowdfunding (financiamento coletivo) clicando aqui.

Deixe uma resposta