O povo brasileiro gasta R$ 800 mil por ano com aposentadoria de deputados federais presos

Você já leu aqui no Implicante que o brasileiro paga R$ 1,65 milhão por ano em aposentadorias a deputados federais cassados. Mas a graça não para nos “deputados federais cassados“. Ela também  atinge a categoria dos “deputados federais presos“.

Conforme destacou o Estadão, a Câmara Federal gasta mensalmente R$ 62.114,26 com aposentadorias de ex-deputados federais presos. Ambos somam passagens pelos ministérios dos governos Lula, Dilma e/ou Temer. E foram detidos após investigações da operação Lava Jato.

Henrique Eduardo Alves recebe a aposentadoria mais gorda: R$ 41.760,00. Quanto a Geddel Vieira Lima, precisa se contentar com pouco menos da metade: R$ 20.354,26. Os valores fazem referência ao tempo de serviço e de contribuição aos planos de previdência dos congressistas.

Ambos soman 16 mandatos como deputados federais. No caso de Henrique, há inclusive uma passagem de dois anos pela Presidência da casa.

Em um ano, os detidos custarão mais de R$ 800 mil aos cofres públicos. Somados aos benefícios dos cassados, a farra se aproxima dos R$ 2,5 milhões.

Curtiu o texto? Siga o autor no Twitter ou Facebook, ou contribua com o crowdfunding (financiamento coletivo) dele clicando aqui e seguindo as instruções.
Nunca inseriu um código de desconto no Cabify? Experimente usar o código "IMPLICANTE" e ganhe 100% OFF (com desconto máximo de R$ 10) em até 2 corridas. Após ativado, o crédito terá validade de 30 dias.

Publicado por

Marlos Ápyus

Jornalista e músico. Edita o implicante.org desde julho de 2017. Siga-o no Twitter (@apyus) ou no Facebook (/apyus), ou contribua com o crowdfunding (financiamento coletivo) clicando aqui.

One thought on “O povo brasileiro gasta R$ 800 mil por ano com aposentadoria de deputados federais presos”

  1. Aqui, além de tudo, corruptos e ladrões têm mais este benefício polpudo. O trabalhador normal tem que cumprir o tempo determinado e, quando consegue o próprio benefício, ainda é reduzido. O valor pago nunca condiz com aquele que foi descontado. Ainda temos que escutar a ladainha do governo de que o INSS é deficitário.

Deixe uma resposta