O PSL disponibilizou a Bolsonaro menos de 1% da verba que Dilma usou oficialmente na campanha de 2014

Tentando viabilizar a própria candidatura à Presidência da República, Jair Bolsonaro selou um acordo com o Partido Social Liberal, dono de um bancada composta por apenas três deputados federais. Conforme detalhou o Estadão, a sigla nanica reservou ao presidenciável um terço do fundo que receberá para trabalhar na campanha eleitoral. Apesar de considerável, a fatia resulta em minguados R$ 3 milhões.

Para efeito de comparação, sem correção inflacionária, essa quantia equivale a menos de 1% do que a campanha de Dilma Rousseff torrou para reeleger a presidente da República em 2014. Contudo, ao se obedecer a proporção delatada por Marcelo Odebrecht, que atribuía ao “caixa 2″por volta de três quartos do que de fato se gastava em uma eleição, a petista teria superado o bilhão de reais com uma folga de R$ 400 milhões.

O principal, apontam as pesquisas, Bolsonaro já teria: voto para ir a um segundo turno. De resto, há de ser o candidato a enfrentar mais dificuldades, uma vez que será atacado por governo e oposição, não terá apoio da imprensa e precisará se virar com segundos de TV. E um orçamento bem menor que o de seus adversários.

Curtiu o texto? Siga o autor no Twitter ou Facebook, ou contribua com o crowdfunding (financiamento coletivo) dele clicando aqui e seguindo as instruções.
Nunca inseriu um código de desconto no Cabify? Experimente usar o código "IMPLICANTE" e ganhe 100% OFF (com desconto máximo de R$ 10) em até 2 corridas. Após ativado, o crédito terá validade de 30 dias.

Publicado por

Marlos Ápyus

Jornalista e músico. Edita o implicante.org desde julho de 2017. Siga-o no Twitter (@apyus) ou no Facebook (/apyus), ou contribua com o crowdfunding (financiamento coletivo) clicando aqui.