Repudiar o acordo com a JBS é diferente de apoiar o governo Temer

Com a volta do petismo à oposição, o governismo perdeu força no Brasil, mas não deixou de existir. Contrariando a lógica, após a delação da JBS vir a público no primeiro semestre de 2017, tais vozes ganharam ainda mais corpo — reforçando as suspeitas de que estariam sendo pagas para defender a gestão Temer.

Desde então, comportam-se como gripes oportunistas. Sempre que os inimigos do governo Temer sofrem um derrota — e, nesse sentido, não há inimigo maior do que a Justiça em seu sentido mais amplo —, tentam converter o estrago em algo que bonifique não só o presidente da República, mas o bando protegido por ele no poder.

Todavia, é claro que uma coisa não implica noutra. É perfeitamente possível, por exemplo, repudiar a anistia concedida à JBS sem, para isso, apoiar o governo Temer.

A opinião pública parece saber disso. Do contrário, a popularidade desta gestão cresceria a cada nova trapalhada de Janot. Mas não foi o que se observou.

Curtiu o texto? Siga o autor no Twitter ou Facebook, ou contribua com o crowdfunding (financiamento coletivo) dele clicando aqui e seguindo as instruções.
Nunca inseriu um código de desconto no Cabify? Experimente usar o código "IMPLICANTE" e ganhe 100% OFF (com desconto máximo de R$ 10) em até 2 corridas. Após ativado, o crédito terá validade de 30 dias.

Publicado por

Marlos Ápyus

Jornalista e músico. Edita o implicante.org desde julho de 2017. Siga-o no Twitter (@apyus) ou no Facebook (/apyus), ou contribua com o crowdfunding (financiamento coletivo) clicando aqui.

Deixe uma resposta