Segundo Palocci, Lula e Dilma Rousseff acompanharam toda a operação para melar a Castelo de Areia

Deltan Dallagnol costuma declarar em entrevistas que a Lava Jato poderia ter começado ainda no governo Lula. No caso, o procurador faz referência à Castelo de Areia, investigação que mirava supostos crimes financeiros e lavagem de dinheiro cometidos pela Camargo Corrêa. Deflagrada em 2009, a operação teria vida curta por obra da 6ª Turma do Superior Tribunal de Justiça, que a enterrou em 2011.

De acordo com a apuração do Antagonista, a própria Lava Jato pode reverter essa situação. Em delação premiada, o ex-ministro dos governos Lula e Dilma Rousseff entregou que a ordem para melar a investigação teria partido da presidente cassada quando ainda era ministra da Casa Civil. A petista teria segurado a investigação dentro da PF enquanto o STJ punha fim aos dois anos de trabalho.

Conforme publicado na Folha de S.Paulo, a Camargo Corrêa teria pago R$ 5 milhões ao então presidente do STJ, César Asfor Rocha, com o objetivo de anular a operação. Quanto ao PT, segundo a Veja, teria recebido R$ 50 milhões do grupo para a campanha de 2010. Ainda de acordo com a delação de Palocci, Dilma e Lula acompanharam toda a operação para melar a investigação.

É grave. É gravíssimo.

Curtiu o texto? Siga o autor no Twitter ou Facebook, ou contribua com o crowdfunding (financiamento coletivo) dele clicando aqui e seguindo as instruções.
Nunca inseriu um código de desconto no Cabify? Experimente usar o código "IMPLICANTE" e ganhe 100% OFF (com desconto máximo de R$ 10) em até 2 corridas. Após ativado, o crédito terá validade de 30 dias.

Publicado por

Marlos Ápyus

Jornalista e músico. Edita o implicante.org desde julho de 2017. Siga-o no Twitter (@apyus) ou no Facebook (/apyus), ou contribua com o crowdfunding (financiamento coletivo) clicando aqui.

Deixe uma resposta