Segundo Palocci, Lula queria o pré-sal financiando a campanha de Dilma

Ainda que represente uma grande reserva de petróleo, o “pré-sal” nunca se justificou como o tesouro vendido pela propaganda petista. A difícil extração estreitava a margem de lucro; e a baixa qualidade do produto afugentava boa parte dos potenciais interessados. Mas o depoimento de Antonio Palocci à operação Lava Jato pode ter esclarecido o porquê da empolgação do partido.

Segundo o ex-ministro dos governos Lula e Dilma Rousseff, o próprio ex-presidente deu a ordem para que o “pré-sal” fosse utilizado não só para financiar a campanha de Dilma, como para garantir um longo projeto de poder ao PT:

“O presidente falou: ‘eu chamei vocês aqui porque o pré-sal é o passaporte do Brasil para o futuro, é o que vai nos dar combustível para um projeto político de longo prazo. Vai pagar as contas nacionais, será o grande financiador das contas nacionais, dos grandes projetos do Brasil e eu quero que o Gabrielli faça as sondas pensando nesse grande projeto do Brasil. O Palocci está aqui, Gabrielli, para lhe acompanhar nesses projetos para que tenha total sucesso e para que ele garanta que uma parcela financie a campanha dessa companheira aqui, a Dilma Rousseff, que eu quero ver eleita presidente do Brasil’”

A estratégia lembra a encabeçada por Hugo Chávez e Nicolás Maduro na Venezuela. Enquanto a economia era açoitada com muito populismo, o petróleo se tornava o financiador de um projeto de poder que, anos depois, findaria numa ditadura.

Mas o impeachment de Dilma salvou o Brasil desse fatídico destino.