Segundo Palocci, na véspera da posse dela, Lula deu ordens para Dilma manter o esquema sujo com a Odebrecht

O depoimento de Antonio Palocci foi tão avassalador que merece ser revisitado sempre. Quando esteve frente a frente com Sérgio Moro, o ex-ministro do PT entregou que, em 30 de dezembro de 2010, apenas dois dias antes de Dilma Rousseff assumir a Presidência do Brasil, Lula deu ordens para que a sucessora mantivesse com a Odebrecht todo o relacionamento criminoso que já vinha em curso em sua gestão:

“Dias depois, o doutor Emílio volta ao presidente Lula, numa reunião em 30 de dezembro de 2010. Nessa reunião, o presidente Lula leva a presidente Dilma, presidente eleita, pra que ele diga a ela das relações que ele tinha com a Odebrecht e que ele queria que ela preservasse o conjunto daquelas relações em todos os seus aspectos, lícitos e ilícitos.”

A reunião foi relatada a Palocci pelo próprio Lula, que confirmou a reserva de R$ 300 milhões para uso do PT por parte da empreiteira. Com o adendo de que poderia ser ainda mais, caso fosse necessário.

Conforme explicado por Palocci, a Odebrecht temia ser escanteada na gestão Dilma. E ofereceu todo um pacote de “ilicitudes” a Lula como forma de obter dele a garantia de que a relação com o Governo Federal não seria abalada. Além dos R$ 300 milhões, os “afagos” incluíam um prédio para o Instituto Lula e a reforma no sítio em Atibaia, ambos sob investigação da Lava Jato.

E o plano teria funcionado tão bem que resultou na referida reunião.

Curtiu o texto? Siga o autor no Twitter ou Facebook, ou contribua com o crowdfunding (financiamento coletivo) dele clicando aqui e seguindo as instruções.
Nunca inseriu um código de desconto no Cabify? Experimente usar o código "IMPLICANTE" e ganhe 100% OFF (com desconto máximo de R$ 10) em até 2 corridas. Após ativado, o crédito terá validade de 30 dias.

Publicado por

Marlos Ápyus

Jornalista e músico. Edita o implicante.org desde julho de 2017. Siga-o no Twitter (@apyus) ou no Facebook (/apyus), ou contribua com o crowdfunding (financiamento coletivo) clicando aqui.

Deixe uma resposta