Governo Dilma garantia a empresários dez vezes mais verba que o orçamento do Bolsa Família

De acordo com cálculo da FGV, só de benefícios tributários, financeiros e creditícios, Dilma Rousseff liberou R$ 385 bilhões para 2016, ou aquele que seria o último ano dela na Presidência da República. Deste montante, nada menos do que 70% – ou R$ 270 bilhões – foram destinados ao bolso de empresários.

Na época, tamanha quantia superava em praticamente dez vezes o orçamento do Bolsa Família. Não à toa, era informalmente chamada de “bolsa empresário”.

O discurso de que o petismo promovia distribuição de renda não se sustentava muito além da propaganda do partido. Para dar ares de verdade à farsa, o governo bancava muita contabilidade criativa. Mas, ironia do destino, Dilma iria ao chão justamente pela fraude contábil apelidada de “pedalada fiscal”.

E o tempo – e centenas de operações da Polícia Federal – vem provando que tanta liberação de crédito justificava-se por uma relação corrupta entre agentes públicos e financiadores.