Testemunha disse que a Globo ajudou a bancar US$ 15 milhões em propina por transmissão de Copas do Mundo

Alejandro Burzaco é testemunha no julgamento de José Maria Marin, ex-presidente da CBF envolvido no escândalo de corrupção da FIFA. No segundo dia de depoimentos, o delator entregou que a Globo, a Televisa e a Torneos y Competencias arcaram com US$ 15 milhões em propinas a Julio Humberto Grondona. Em troca, receberiam os direitos de transmissão das copas de 2026 e 2030.

Depositada num banco suíço, a quantia garantia direitos de TV, rádio e internet. Tudo isso foi intermediado pela T&T, empresa do próprio Burzaco criada para práticas de crimes.

A Globo teria sido representada por Marcelo Campos Pinto num restaurante carioca durante a Copa de 2014. No encontro, discutiram a intenção da emissora de ampliar o esquema para também garantir os diretos da Libertadores e da Copa Sul-Americana.

Em nota, o Grupo Globo negou qualquer participação e disse repudiar o esquema.

Curtiu o texto? Siga o autor no Twitter ou Facebook, ou contribua com o crowdfunding (financiamento coletivo) dele clicando aqui e seguindo as instruções.
Nunca inseriu um código de desconto no Cabify? Experimente usar o código "IMPLICANTE" e ganhe 100% OFF (com desconto máximo de R$ 10) em até 2 corridas. Após ativado, o crédito terá validade de 30 dias.

Publicado por

Marlos Ápyus

Jornalista e músico. Edita o implicante.org desde julho de 2017. Siga-o no Twitter (@apyus) ou no Facebook (/apyus), ou contribua com o crowdfunding (financiamento coletivo) clicando aqui.

Deixe uma resposta